Saúde Completa

Pular para conteúdo principal »

Site de busca

Navegação da categoria:

Você está agora em:







Boletim informativo

Boletim informativo
 

Dr. LUIS MOURA PARTE 3

A dosagem de Ascaridil

 

É o cloridrato de levamisol, o cloridrato de levamisol, ele é um modulador imunológico, ele não é um estímulo imunológico, agora, somando o Cloridrato de Levamisol à Auto-hemoterapia, um modulando, no caso, por isso que o cloridrato de levamisol funciona muito bem nas doenças auto-imune, provavelmente a experiência que diz é só na artrite reumatóide, e tomando dois comprimidos por semana durante 8 semanas depois dá um intervalo, e depois de um mês para descansar, liberar o organismo do produto, e depois faz outra vez , como imunomodulador ele vai ajudar muito numa doença auto-imune que chama-se artrite reumatóide e funciona em muitas outras, até na doença..., na lepra, mal de hansen, ele é usado, o cloridrato de levamisol, na brucelose, uma série..., nas infecções mais ... tem excelente resultado na herpes simples e zoster, os dois tipos, genital, labial, tudo isso funciona o Ascaridil, isto é o cloridrato de levamisol, ele funciona muito bem nisso.

 

O cloreto de magnésio atua na osteoporose, bursite e artrose?

 

Exatamente, porque ele regula todo o metabolismo do cálcio, ele fixa o cálcio onde ele deve existir, por exemplo, nas osteopenias, nas osteoporoses, ele fixa, e elimina o cálcio de onde ele não deve existir, das artérias, das articulações, ele elimina os cálculos de oxalato de cálcio dos rins, ele elimina as calcificações generalizadas que existe nas bursites calcificadas. Onde houver cálcio fora do lugar ele elimina e onde houver falta de cálcio ele fixa desde que seja junto, dado junto com o cálcio. Que a pessoa tenha uma alimentação rica em cálcio ele vai fixar, então não há o menor risco para quem toma cloreto de magnésio, em tomar excesso de cálcio. O risco do excesso de cálcio, de calcificação nas artérias, articulações é de quem não toma magnésio, que regula a distribuição do cálcio, aí existe, que é realmente, muita gente pensa: ahh, que tem arteriosclerose não pode tomar cálcio porque via endurecer as artérias, vai mesmo se não tomar com o magnésio vai, mas se tomar junto com o magnésio não, porque o cálcio só vai fixar onde ele deve, ele é que é o regulador da distribuição do cálcio. Essa é que é a importância.

 

Mulheres grávidas ou amamentando podem fazer uso da auto-hemoterapia?

 

As mulheres grávidas podem fazer AH, não há perigo nenhum, amamentando o leite vai conter mais anticorpos do que se ela não fizer a AH, a criança vai receber um reforço imunológico.

 

As pessoa que fazem quimioterapia podem fazer uso da AH?

 

As pessoas q estão fazendo quimio e radioterapia devem fazer a AH. No caso específicamente, vamos dizer, da quimioterapia, a rádio não há necessidade dela fazer a AH, porque não vai acrescentar nem beneficiar, apresentar nada. Mas, as pessoas que estão fazendo quimioterapia, como a quimioterapia afeta negativamente o sistema imunológico, porque ela atua como imunossupressora, não só sobre as células neoplásicas, células cancerosas, mas também sobre as células boas, de defesa, então a AH feita simultaneamente com a quimioterapia, evita que o sistema imunológico baixe demasiadamente. Porque nós não temos, não existe ainda uma quimioterapia que seja dirigida especificamente para as células cancerosas, ela debilita também as células de defesa e aí a AH vai contrabalançar, vai reduzir os efeitos nocivos da quimioterapia, embora não vai anular os efeitos nocivos...mas vai reduzir.

 

A AH é válida nas complicações de diabetes?

 

Isso aí seria válido, porque no caso da gangrena, por exemplo, eu tive uma paciente que teve uma ulcera de perna, de pé, aliás, pegou o tornozelo dela, e que já estava,... se via até os tendões, tava um caso que chegou a um nível de amputação. E então, estava marcado para 2 ou 3 dias depois, a amputação deste pé. Essa Sra. era diabética a muitos anos e então ela, uma pessoa da família me chamou, eu fui lá no Lins de Vasconcelos atender e achei que deveria ser tentado a Auto-hemoterapia, para neste caso que ainda havia a possibilidade de evitar essa amputação. E eu fiz, então, prescrevi a AH, ela fez o tratamento de algumas semanas e a ulcera fechou e ela não teve que amputar e veio a falecer uns 20 anos depois, com o seu pé, ela faleceu ainda em conseqüência a diabetes, porque ela faleceu em conseqüência de um acidente vascular agudo, enfarto do miocárdio, que a diabetes produz esses acidentes vasculares. É um fator que desencadeia, e ela veio a falecer disso, mas ela morreu com o pé que seria amputado uns 20 anos, quer dizer, ela ganhou 20 anos de uma qualidade de vida maior por que, já que ela podia caminhar, andar perfeitamente e tudo e sem uso de nenhum aparelho, sem nada.  


Na cegueira o que há é isso, é que a diabetes produz uma arterite, uma inflamação na íntima das artérias, é por isso que leva a cegueira, a falta de oxigenação dos tecidos em função do entupimento. Como a AH pode realmente influenciar em alguma coisa, porque ela dá uma proteção a maior à célula, ela aumenta a resistência da célula, essa irritação da glicose, não que ela cure, ela não atua na diabetes mudando, curando o diabetes, não, de maneira nenhuma, mas ela pelo menos, protege a célula e as conseqüências, os efeitos adversos levam mais tempo para ocorrer. É, uma forma de retardar, a destruição celular que ocorre em função da diabete, que vai afetando todo o sistema vascular, não afeta só os pequenos vasos, não, afeta todos os maiores depois... É uma doença que precisa ser combatida com muitos medicamentos que atuam contra os radicais livres, não é só controlar a glicose, é necessário evitar agressão à célula pelos radicais livres, isso aí com vitamina A, E e C, selênio, várias substâncias que protegem a célula, então a gente...., tudo que for feito para evitar os danos causados pelo excesso de glicose, tem valor.

 

Amplitude da AH

 

Olha, realmente a amplitude é muito grande da ação da AH, porque ela atua sobre o sistema imunológico, de um modo geral, quadruplicando uma área do sistema imunológico, que é o Sistema Retículo-Endotelial, aumentando os macrófagos de 5% para 22%, e ele é o responsável por toda essa limpeza.  


A AH aumentando o número de macrófagos, faz com que todo o sistema de limpeza dos agressores que ocorrem no organismo, seja de vírus, seja de bactérias, seja de células anormais, pré-cancerosas, tudo isso pode ser, pela ativação do sistema imunológico, pode ser inibido e evitar as conseqüências, então é válido, realmente a AH tem uma aplicação muito ampla, além de que há uma coisa que constatei, que ela atua numa área do sistema nervoso, que é a área do sistema nervoso autônomo, ela organiza o sistema vago simpático e com isso ela dá uma tranqüilidade maior as pessoas. As pessoas tensas tendem a ser simpaticotônicas, e, isso causa contração vascular, isso favorece a hipertensão, a AH vai manter sobre controle a pressão mantendo o equilíbrio correto entre o sistema vago, que dilata os vasos, e o sistema simpático, que contraí, isso é uma outra ajuda, junto com outros recursos, não sozinho a AH pode, é um auxiliar no combate a hipertensão que é uma doença que atinge bilhões de pessoas no mundo, é uma coisa hoje d'uma.... devido às tensões, do stress da vida moderna, do medo, da insegurança, disso tudo, hoje a hipertensão está se tornando um problema de saúde pública muito grave, e a AH pelo menos reequilibrando, equilibrando o sistema neurovegetativo, ela já contribui para que as conseqüências da hipertensão sejam menos graves, e prolongue o período de bem estar da pessoa.

 

A AH é sempre benéfica?

 

Sempre. Porque o mínimo que se pode dizer, atuando sobre o sistema imunológico que é..., que existe uma curva, o sistema imunológico cresce a partir do nascimento, a criança nasce praticamente sem o sistema..., com o sistema imunológico praticamente não funcionante, porque ela recebe a última carga da placenta quando se contrai joga uma quantidade enorme de anticorpos para dentro da criança, durante 6 meses ela vive protegida por estes anticorpos que ela recebeu da mãe, então seria até o caso da, durante a gravidez, a mulher fazer a AH para que a criança nascesse com o Sistema Imunológico potencializado, ativado, aí depois que termina esse período que é que começa as doenças infantis, exatamente porque terminou a, vamos dizer, a reserva imunológica da criança terminou, e aí começa ela a construir o seu próprio sistema imunológico naturalmente, na luta contra o meio ambiente, contra os agressores que estão em volta, neste período aí, quando terminou e começa a construir também o ocorre hoje, uma coisa muito boa, que a medicina avançou muito, daí a mortalidade infantil ter diminuído muito, começa  o programa de vacina, que é um exercício do Sistema Imunológico. A vacina são exercícios, porque é a mesma coisa; a vacina produz o mesmo efeito das agressões produzidas pelas doenças, é a doença atenuada, apenas de uma forma que o organismo não corre o risco de adoecer, a não ser que seja uma vacina defeituosa, mas se estiver perfeita não causa doença, ela causa imunidade à doença.  


Então a criança vai crescendo, seu Sistema Imunológico até chegar ao pique máximo entre os 14 e os 16 anos, quando ele atinge a plenitude, aí se mantém neste nível até em torno dos 50 até os 55 anos, nessa faixa, aí começa o declínio do Sistema Imunológico quando o Timus, a glândula que comanda todo o Sistema Imunológico, que é uma glândula no peito que nós temos, começa a atrofiar, então, é daí por diante, a AH tem um enorme valor que vai retardar essa curva de declínio, então seria aí, indispensável; Antes, ainda o Sistema Imunológico esta muito bom, tem pessoas que tem ele menos deficiente, outras mais; dependendo da alimentação; tem pessoas que se alimentam muito mal, falta de nutrientes que estimulam o Sistema Imunológico, vitaminas, sais minerais, ou proteína mesmo, deficiência de proteína mesmo, porque o anticorpo é formado em proteína, então se ele tem uma alimentação deficiente, vai ter um Sistema Imunológico deficiente. É por isso que muitas pessoas que vivem praticamente a vida sem doenças, resistindo a toda essa agressão do meio ambiente, de doenças, infecciosas e tudo, e não tem nada, e outras toda hora estão doentes, por que tem o Sistema Imunológico debilitado. Mas a AH ajudaria neste caso, pra contrabalançar essa..., não que não deva ser ensinado a se alimentar corretamente para poder estimular o Sistema Imunológico, mas sempre iria contrabalançar essa deficiência na área de alimentação.

 

Intervalos menores que 7 dias são prejudiciais?

 

Nenhum mal, porque apenas do 5º ao 7º dia é que o sangue já está praticamente, grande parte reabsorvida, e o estimulo imunológico que é que ocorre em função desse sangue significar o corpo estranho no organismo, e que o sistema imunológico se ativa para rejeitar esse sangue, para eliminar, este estímulo ta declinando, se fizer com menor espaço de tempo não há esse declínio, ele se mantém sempre naquela faixa dos 22% , 20 e 22% de macrófagos quando o normal é 5%, não vai haver nenhum prejuízo. 


Não há é necessidade, vai sacrificar o paciente, porque na realidade ele vai, ser perfurada a veia e não há necessidade, se for de 7 em 7 dias, quando ele chega ao mínimo há uma reativação, quando eu preciso que o paciente se mantenha no nível máximo eu faço com 5 dias de intervalo, aí não chega haver o declínio que ocorre do 5° ao 7º  dia.

 

A Auto-hemoterapia pode ser feita sem pausa?

 

Perfeitamente, eu só faço, eu só mando fazer interrupção para os pacientes, exclusivamente para descansar músculos e veias, mais nada, se as veias são usadas alternadamente, não pega sempre do mesmo braço, e vai alternando, e se os músculos também são usados alternadamente, ora na nádega, o glúteo do lado esquerdo depois o direito, do deltóide que é do braço, direito, e depois esquerdo, aí não há necessidade de interromper, mas como cansa aí, há a necessidade de interromper.

 

A variação de dosagens (5,10,20) faz também aumentar taxa de monócitos?

 

Não, sempre a mesma coisa, a única diferença é que quando nas doenças auto-imunes, eu às vezes uso até 20ml, nos casos mais graves, e dividindo em 4 lugares, aplicando 5ml em cada braço e 5ml em cada nádega, para desviar esse sistema imunológico viciado em atacar o próprio corpo, um sistema imunológico que está pervertido, que em lugar de cumprir a função dele, que é nós defender contras os agressores, contra tudo aquilo que nos prejudica, ele ta atuando contra o próprio corpo, como se fosse um inimigo, sendo no caso uma artrite reumatóide afetando as articulações, e criando até deformações, criadas pelo sistema imunológico, que eu acredito que esteja pensando atender a um pedido do inconsciente para desviar um sofrimento psíquico para uma área física, e com isso, enquanto a pessoa preocupada com seus ossos, seus dedos deformados, ta esquecendo dos problemas psíquicos que motivaram o desvio, a perversão imunológica, é uma desgraça a gente sofrer fisicamente, só para aliviar psiquicamente as tensões, mas acontece, e eu tenho provas disso, muitos casos.

 

A partir de que idade crianças podem fazer auto-hemoterapia?

 

Ai depende muito da criança, porque eu já tive há pouco tempo uma criança de 5 anos que aceitou perfeitamente a AH, porque tinha um controle emocional tão bom, que eu explicando a ela que ela ia ser beneficiada, era uma criança asmática, uma asma grave, e que ela já estava cansada de sofrer a falta de ar, então uma criança com um nível de raciocínio ativado, uma criança muito inteligente, ela se convenceu que valeria a pena e  aceita a AH perfeitamente, até, quem mais sofre quando ela toma a AH, é a mãe, muito mais que a criança, a mãe sofre pela criança.

 

E a AH na geriatria?

 

Pra mim, é a área em que deveria ser mais utilizado a AH é dentro da geriatria, justamente porque corresponde a época que o sistema imunológico está em declínio.

 

A AH funciona na cicatrização de escaras?

 

Funciona, ajudando a cicatrização das escaras, lógico que não pode colocar peso sobre o local, tem que evitar, aqueles protetores, né, porque a escara é produzida por um atrito continuo da pele sobre o leito e além do atrito é a falta oxigenação pela pressão local, os vasos sanguíneos não abastecem de oxigênio os tecidos, eles tendem a se destruir, mas a AH vai ajudar a reconstruir, a cicatrização vai se tornar mais rápida.

 

E o HPV?

 

É, esse vírus que agora está muito freqüente no colo do útero e tudo. Eu ainda não tenho experiência porque eu não sou ginecologista, então eu não tenho essa experiência, mas acho que valeria, porque como atua de modo geral contra vírus e o HPV é um vírus, eu acho que deveria também ser usado mas, só que isso aí os ginecologistas que teriam que fazer a experiência e introduzir isso numa prática comum, se funcionasse bem, como eu acredito que deve funcionar, funciona em outros vírus, não será nesse que será diferente.

 

E no Vitiligo?

 

No vitiligo eu também não vi, com a AH, esse eu já usei, o que eu usei é o seguinte, o único beneficio que eu notei no vitiligo, é que o vitiligo essas manchas aumentam muito nas fases depressivas das pessoas quando ficam tensas, muito tensas, elas pioram, porque o vitiligo não se sabe até hoje realmente o motivo de ocorrer essa falta de pigmentação, não se sabe. Mas, como o sistema neurovegetativo se equilibra e melhora esses pacientes, evita essas recaídas, essas fases ruins em que há um aumento muito grande das manchas vitiligo, mas não vai curar o vitiligo, não vai ter nenhum efeito de cura.

 

Nas amigdalites de repetição?

 

Isso é altamente válido, muito válido, é uma das coisas, há um tipo de amidalite que eu usei a AH e com um resultado muitíssimo bom, é a amigdalite devido a um estreptococos beta hemolítico, é a amidalite que resulta em febre reumática, e que resulta em dano no coração, com prejuízo, com atrofia das válvula mitral que depois só cirurgia vai corrigir.


E essa amigdalite é extremamente resistente aos antibióticos, e a AH junto, logicamente também com o antibiótico vence essa aí, eu já curei muitos casos de febre reumática em que a origem dessa infecção era na garganta, as amígdalas é que são as transportadoras, onde os micróbios se alojam bem e se protege é dentro das amídalas, o estreptococos beta hemolítico, então isso funciona muito bem, no João por exemplo, um rapaz que hoje já é homem, quando criança teve febre reumática gravíssima mesmo, coisa muito grave, e foi a AH que curou ele, ele ficou sem lesão nenhuma, a outra que ia lá em Petrópolis até,  e foi um caso que eles consideravam até perdido, nunca vi antiestreptomicinas ASO que é a sigla, a vir mil e tantos quando que o normal vai até 200, a coisa mais grave e foi isso, foi a AH que conseguiu salvar esse menino.

 

Como a AH pode ajudar um paciente com câncer?

 

Bom funcionaria, primeiro, se esse paciente normalmente estará sobre um tratamento quimioterápico ou radioterápico, num caso ou no outro, como ainda não se descobriu uma quimioterapia especifica para célula cancerosa, ela atua também sobre as células normais e baixando com isso o nível imunológico e fazendo com que o paciente se tornem vulnerável a outro tipo de câncer ou a repetição daquele câncer, ou em outro órgão, em outro lugar. Mantendo esse sistema imunológico ativado a quimioterapia vai ter o seu lado positivo de destruir a célula cancerosa, e vai ter minimizado o lado negativo destruíndo as células boas que protegem contra a repetição desse câncer, que seria metástase, quando seria o mesmo câncer em outro órgão, ou um novo câncer em outro órgão, até de tipo diferente, e aí seria a AH muito útil, seria no caso do câncer. 


Isso no caso dos pacientes sob quimioterapia, no caso da radioterapia, também a radioterapia prejudica muito o sistema imunológico e a AH iria resgatar esse prejuízo, reativando o sistema imunológico, evitando um outro câncer. 


Então é valido nos dois casos, agora, não dizer que vai curar o câncer, ela vai ajudar os meios que curam o câncer, radioterapia ou quimioterapia, ou no caso mesmo de uma cirurgia em que, mas que células estavam fora daquele local retirado e que pudessem ir através dos linfáticos atingir outros órgãos, ele pode evitar que outras células progridam, matando elas nos nascedouros, evitando a multiplicação delas,então, vale a pena também.

 

Há tipos de câncer incompatíveis com a AH?

 

Nenhum. Todos devem ser usados, podem ser usado em qualquer caso, não há nenhum caso em que não seja útil, pode não ser suficiente, a ação da AH não resolver o caso, mas de qualquer maneira, pelo menos, vai evitar ele se tornar mais invasivo, mais rapidamente invasivo, vai ser uma ajuda.

 

Surtos epidêmicos e AH?

 

Nisso funcionaria, aí seria de grande valor, de uma economia enorme. 


Porque, por que hoje as pessoas que estivessem já atacadas pelo mal, por um desses males, elas teriam a sua recuperação, a restauração da saúde mais acelerada, seria menos tempo de doença, porque quem cura realmente é o sistema imunológico, não é  antibiótico que cura, antibiótico é apenas bacteriostático, só faz evitar a reprodução dos micróbios, mas quem termina de curar a infecção é o nosso próprio sistema imunológico, então, isso seria no caso, uma ação.  


E a outra, as pessoas que ainda não se contaminaram, se estivessem sobre a ação da AH e com o seu sistema imunológico ativado, elas não pegariam, não teriam a doença, então evitaria que a doença se espalhasse num número maior de pessoas e com um detalhe importante, quando a doença vai se repicando de uma pessoa a outra, o micróbio ou o vírus se torna cada vez mais ativo e mais virulento, a repicagem é que aumenta, é como se fosse um exercício que ele faz, se tornando mais violento. 


Então seria o grande valor, mas aí teria que ser, vamos dizer, uma prática corrente, todo mundo fazer a AH, pra todos, olha, uma coisa que nós dizemos, eu e a Vera (esposa), não tomamos vacina antigripal, não que eu ....foi, é uma excelente medida que o ministério da saúde tomou, e o idoso, e seria até que melhor que nem fosse só idoso, todas as idades tomassem, fizessem a vacina contra a gripe e, é todo ano existe um programa e tal, para o idoso, agora, como o idoso é mais vulnerável às pneumonias, e tudo, das partes respiratórias, então foi como o ministério da saúde, que também não tem recurso para estender a toda a população a vacina, escolheu um grupo de risco que é o idoso. 


Nos não usamos. Porque? Por que com a AH estando com o sistema imunológico ativado as gripes são cada vez menos freqüentes e como também essas vacinas se limitam a dois ou três tipos de vírus, normalmente três, e há uma centena de vírus de gripe também não é uma garantia, e então eu prefiro a AH que pelo menos eu estou com resistência a todos os vírus, essa é a razão principal.

 

E no acidente vascular cerebral (AVC)?

 

Ajuda e demais, desde que seja feito o mais rapidamente possível depois do Acidente Vascular Cerebral, porque se for um acidente hemorrágico a AH, os macrófagos devoram a fibrina que está entupindo os vasos, e ele restabelece a circulação muito mais depressa. Então tem um enorme valor, bom, agora aí, depende da rapidez, quanto mais rápido..., agora mesmo tive a pouco tempo um paciente que teve um acidente vascular, lá em Visconde de Mauá, e que eu logo prescrevi e a recuperação  foi muito mais rápida do que seria só com a fisioterapia, praticamente deixando a natureza fazer a fagocitose dessa fibrina, desentupir... mas, desentupir com 5% de macrófago, é bem mais lento do que 22%, aí, nesses casos eu passo de 5 em 5 dias pra não haver a queda, voltar aos 5%, pra manter os 22%. Enquanto o paciente esta desobstruindo a artéria, na área entupida.

 

E na hipertensão Arterial?

 

Não, aí não há..., a hipertensão não é por entupimento, é por espasmo arterial, aí o que vale a AH é porque a hipertensão é mais de origem psicossomática, 95% dos casos de hipertensão, são hipertensões chamadas essenciais, é o nome que a medicina dá quando não existe uma causa definida, não se sabe o que é, sabe-se que tem muita relação com o lado emocional, muito, é a hipertensão essencial, e que é a grande maioria. Existe um número muito pequeno, parcela pequena, que é hipertensão renal, uma substância que produz a hipertensão que chama ‘renina’ (?), e existe outro número de hipertensos que é devido ao sangue circular mal, por estar com excesso com gordura, colesterol, HDL, LDL o ruim né, colesterol e triglicerídeos muito altos, então há uma hipertensão porque o sangue circula com menor velocidade, mas de qualquer maneira a AH funciona muito bem, porque vai atuar no caso, mesmo da essencial, essa que representa mais de 90% dos casos, vai atuar no sistema neurovegetativo, reequilibrando o vago simpático, e na hipertensão é uma dominância do sistema simpático que contrai os vasos sobre o sistema vago que dilata os vasos, e reequilibrando, ajuda no tratamento da hipertensão.

 

E na gota?

 

Também porque, o que remove o ácido úrico, o ácido úrico, na gota é quando o ácido úrico ultrapassa os 7ml%, e então nesse caso vai a 8%,10%, o ácido úrico se cristaliza dentro dos tecidos sob forma de agulhas e é por isso que é tremendamente doloroso e no caso a AH vai fazer com que esse corpo estranho, no caso, ta funcionando, esses cristais na realidade são vistos pelo sistema imunológico como corpo estranho, então ele vai tratar de retirar, eliminar esses cristais que estão dentro dos músculos, produzindo dor, então vale também.

 

Esporte e a AH?

 

Quando Beckenbauer pendurou as chuteiras, deixou de ser jogador e passou a ser técnico na seleção Alemã, ele disse que ele atribuía o desempenho físico dele a AH que, antes de cada jogo, ele fazia uma AH de 10ml em todos os jogos, fazia sempre, e ele atribuía a isso, tanto a saúde que ele tinha quanto a resistência física nos jogos, isso foi a declaração dele quando deixou de ser jogador e passou a ser técnico da seleção Alemã.

 

Poliomiosite e dermatomiosite?

 

Poliomiosite, como a dermatomiosite, e artrite reumatóide, essas outras, são doenças auto-imunes.  Toda doença que tem uma origem auto-imune, quer dizer, tem como origem uma perversão do sistema imunológico, que ataca o próprio corpo como se fosse um corpo estranho, é válido o uso da AH. Por que? Porque em 1º lugar a aplicação do sangue, e, se for difundida em vários lugares, melhor ainda, desvia a agressão imunológica para o sangue, diminuindo a pressão da agressão sobre os tecidos que estão sendo agredidos. No caso da poliomiosite tecido muscular, na dermatomiosite no tecido muscular e cutâneo, então desvia. Experiência eu tive com dermatomiosite, mandada pela minha colega dermatologista Dra. Ricia Florion, agora, de poliomiosite ainda não usei em nenhum caso, agora, mas vai funcionar da mesma maneira, isso porque vai primeiro: desviar; e a segunda razão de funcionar nas doenças auto-imunes é que o sangue como ele é universal dentro do organismo humano atinge todo, cada milímetro cúbico do nosso corpo praticamente, tirando os cabelos, os pêlos, mas até dentro da pele, em qualquer centímetro quadrado de pele e de qualquer centímetro quadrado de qualquer órgão, está sempre com sangue, até os ossos, tem menos, mas tem sangue pelo menos dentro do osso, da medula óssea. Então, como ele está em todo lugar, e como essas doenças auto-imunes são uma inversão da função imunológica, quer dizer, uma função que é de proteção se torna de agressão na realidade por perversão do sistema imunológico, quando ele é desviado, primeiro diminui a pressão da agressão, isso é uma coisa, e segundo, e aí é muito importante, mas isso não posso provar, por que só a pesquisa laboratorial poderia provar, os casos, como o sangue contêm os mesmos elementos, que esse sistema imunológico está agredindo, seja qual for a doença auto-imune, vai criar nesse sistema imunológico uma espécie de perplexidade, ele vai ficar em dúvida, ele vai ‘dizer’ porque, ‘imaginando uma pessoa’, 'porque eu estou agredindo a mim mesmo se nesse sangue contêm os mesmos elementos que tem lá, o que estou agredindo', então ele faz um reconhecimento do que é próprio, e do que não é próprio, quer dizer, ele estava tratando, agredindo nas doenças auto-imune, o corpo como se fosse um corpo estranho, e ele vai acabar reconhecendo essas áreas que ele estava agredindo como próprias através dos elementos do sangue que são os idênticos àquelas áreas agredidas. 


Mas isso eu não posso provar, isso é apenas um exercício de inteligência, para tentar explicar o porquê que há curas de doenças auto-imunes, curas definitivas, não é melhora apenas, a melhora é muito bem explicada, simplesmente desvia a agressão para o sangue e naturalmente diminui a agressão para os lugares onde ele esta agredindo. Isso é uma parte, mas a outra, essa da cura, a única explicação é a indução do que se chama tolerância imunológica, isso é que ocorre nas alergias, que eu tenho ótimos resultados, que é uma intolerância imunológica, uma excessiva reação imunológica contra a alergia, contra substâncias que agridem e que acabam afetando o próprio organismo, tanta luta contra os alergenos, isso no caso das alergias, isso funciona muito bem nas alergias, em todas. É um excelente recurso terapêutico a AH.

 

Dois casos de disritmia e convulsões

 

Ah! Sim, nesses casos, duas crianças tinham, comprovadamente uma disritmia. Eram disrítmicas, o eletroencefalograma delas era anormal e tinham convulsões que são chamadas convulsões epiléticas, convulsões, as doses de fenobarbital que estavam usando eram tão altas, para evitar as convulsões, que as crianças já não estavam tendo convulsões, mas basicamente elas estavam impossibilitadas de estudar e até andar, de andar de bicicletas. Não tinham condições de mais nada; e então, eu usei a AH nestas duas crianças, isso com um intervalo de 20 anos entre uma e outra, para apenas limpar esse excesso, eliminar esse excesso de barbitúricos que estavam impregnando o cérebro destas crianças.  


Acontece que depois que houve a desimpregnação e as crianças passaram a ter uma atividade normal, podendo brincar a vontade, andar de bicicleta e tudo, vivendo a vida normal, deixaram de ter as crises convulsivas, sendo que uma delas tem seguramente uns 20 e tantos anos. E a outra tem aí uns, aqui de Mauá, uns 3 anos, mais ou menos isso, e não voltou, mas eu não fiz com essa finalidade, foi apenas com a finalidade de eliminar este excesso de impregnação de drogas barbitúricas que estavam no cérebro destas crianças.  


Agora se eu tivesse depois pedido o eletroencefalograma dessas crianças e comparado com a anterior, antes de elas começarem o uso dos barbitúricos, essa comparação é que resolveria, poderia provar se atua realmente corrigindo as ondas cerebrais, e colocando em nível de normalidade, corrigindo essas ondas cerebrais, mas isso é uma coisa que futuramente pode se provar com a maior facilidade, é que eu apenas pensei como clínico, resolver o problema apenas que havia, e depois o outro resultado foi até inesperado, nem era o objetivo da AH.

 

Medicina

 

Medicina é a arte de curar. Então eu só tenho um único compromisso com meus pacientes: aliviar o sofrimento deles e quando possível, curar. Por isso que eu não respeito os padrões chamados, que se dizem os padrões científicos. Isso eu não posso fazer, que não é comprovado pela ciência, pra mim o que comprova qualquer coisa é o efeito do tratamento, se ele produz benefícios para o paciente é um tratamento científico, mesmo que não saibamos qual o mecanismo de ação deste tratamento, eu uso recursos sejam quais forem para beneficiar os pacientes; para que eles se beneficiem e pelo menos, tenham alívio do sofrimento e se possível, a cura do paciente, agora depois, então, porque eu tenho uma mente investigativa, com uma forte tendência a investigação, depois, eu não me satisfaço com isso e procuro encontrar uma solução, procuro encontrar algo que me satisfaça, que eu entenda, porque que ele funcionou, e depois de já ter curado o paciente.  


Depois de ter dado o resultado, aí eu tenho o interesse em investigar o porquê, e quando eu não consigo, porque eu não tenho laboratório, provar o porquê; eu sempre procuro um raciocínio lógico que me leve a conclusão do porquê, por exemplo, no caso das alergias...o paciente fazendo a AH ele tem uma grande melhora da alergia. Bom, alergia na realidade não é nem doença, é uma reação do Sistema Imunológico ativada, uma reação exacerbada, devido ao grande número de agressão que o ser humano sofre no dia a dia, no ar que ele respira, poluído, nos alimentos que ele come com substâncias que são com agentes conservantes, mas que tem, trazem prejuízo para ele, corante usa nos alimentos, isso tudo são agressões, então, o organismo das pessoas mais exigentes, luta demasiadamente contra isso; há até já uma suspeita bem fundada, de que as pessoas que são muito alérgicas têm muito menos chance de ter câncer, porque tem um Sistema Imunológico mais zeloso, mais ativado, isso já é uma suspeita, não é provado, mas já está se suspeitando muito disso.  


Então eu procurei encontrar uma solução para explicar o que é alergia e o que representa a cura através da AH, como se dá essa cura, e inventei uma forma que me satisfez: Como o alergeno é um corpo estranho, ele não é aceito pelo Sistema Imunológico, daí a briga contra ele, e daí as conseqüências para o paciente, que se têm alergia a inalantes o que acontece? Ele começa a espirrar, tentando eliminar o pelo catarro, o alergeno, se esse alergeno vai lá para os pulmões, o Sistema Imunológico agride aquilo e produz uma secreção para tentar, com essa secreção, que ele tossindo, ele elimine esses alergenos que estão agredindo. Então, na realidade é uma forma de defesa, não é nem doença, é uma defesa contra o que está fazendo mal, o que não deveria existir no ar que ele está respirando; não deveria existir no alimento que ele está comendo. Tudo bem, então o que acontece quando se faz a AH? Esses alergenos acabam indo para o sangue, eles acabam se fixando, passando para os pulmões, para o sangue, passando para o nariz, para o sangue. Porque todos esses órgãos estão cheios de sangue, quando o Si

 

Meu carrinho

Você não tem itens no seu carrinho de compras.

Atendimento Online

No momento não temos nenhum operador online.

Comparar produtos

Você não tem itens para comparar.